Av. São Paulo, n° 199 - Teixeira de Freitas/BA - CEP:45990-310

POR QUE IMPLANTAR UMA CULTURA DE REDUÇÃO DE GASTOS NA MINHA EMPRESA?

post-produtividade-2

 

A pergunta parece um pouco óbvia, mas na prática o que se tem visto é que poucas empresas se preocupam em reduzir gastos. Muito se fala em aumentar as vendas, e basear-se apenas no indicador “Faturamento” me parece um tanto perigoso para sustentabilidade de uma empresa. E se o crescimento das Receitas for mais lento que a evolução dos gastos?

Toda empresa tem um objetivo em comum, “Gerar lucro”. A simples equação nem sempre resulta naquilo que se esperava antes de realizar o sonho de ser dono da própria empresa. A conta parece simples: (Receitas – Gastos) = Lucro (ou Prejuízo).

Então, por que implantar uma cultura de redução de gastos na minha empresa? A resposta é muito simples: Quanto menores os gastos, maiores os lucros e consequentemente sua empresa terá processos mais eficientes, já que uma cultura de redução de gastos, têm como objetivo aperfeiçoar para reduzir, repensar cada gasto a fim de alinhar as saídas de recursos com os objetivos da empresa. Este esforço é ainda mais importante em startups e empresas pequenas que possuem poucos recursos.

Agora que sabemos do “por que fazer”, vamos focar no “como fazer”.

 

Arrume a casa para ter os dados

Arrumar a casa neste contexto significa saber se as informações disponíveis são confiáveis. Já dizia Peter Drucker: “Não se gerencia o que não se pode medir”.

Comece por estabelecer o controle do caixa, ou seja, todo o ativo disponível da empresa deve ser controlado. Saldos bancários, saldos de caixa, toda saída e entrada do caixa. Atrelado a isso, estabelecer o plano de contas e uma estrutura de centros de custos é um passo necessário para responder a seguintes perguntas: “De onde vem o dinheiro da minha empresa?” e “Para onde vai o dinheiro da minha empresa?”.

No processo de implantação de uma cultura de redução de gastos, os dados são o ponto de partida e, fazendo uma analogia, estes dados são comparados com o painel de um veículo. Sem os indicadores dificilmente será possível saber se o veículo está em condições de uso.

Lembre-se: Jamais confunda regime de caixa com regime de competência.

 

Estabeleça Indicadores (KPIs)

Os indicadores de performance contam uma verdadeira “estória” da sua empresa, sobre aquilo que se realizou no mês ou período analisado. O DRE (Demonstração do Resultado do Exercício) é a fonte para analisar a maioria dos indicadores de evolução dos gastos. Preste bastante atenção nos gastos variáveis, que acompanham a evolução do Faturamento, que geram a Margem de contribuição (o que sobra para cobrir os gastos fixos). E mais ainda nos gastos fixos e operacionais que engessam a estrutura da sua empresa. Para refletir sobre a estrutura de gastos existe um método bem eficaz chamado “Orçamento Base Zero (OBZ), que desconsidera o passado e considera os gastos de que fato fazem sentido para o negócio.

 

Faça um Orçamento

O orçamento é uma ferramenta de planejamento que é utilizada para estimar Receitas (Faturamento) e com base nesta estimativa projetar os gastos necessários para se atingir a meta de receitas gerar Lucro almejado. É no orçamento que a empresa terá um plano de voo, um mapa a ser seguido e perseguido.

 

 Estabeleça um ritual em sua empresa

De nada servirá os relatórios e tanta informação se não forem analisados religiosamente a cada mês. Estabeleça esta rotina através de um calendário de avaliação e discuta as informações geradas a fim de gerar novas ideias sobre como melhorar a performance da empresa. Não se esqueça também de engajar as pessoas envolvidas neste processo, de discutir as informações, de ter meritocracia quando se atingir metas de orçamento, isso mantém sua equipe alinhada e motivada a sempre fazer o melhor.

 

Postado por Filipe Costa